,

Casamento Vânia e Gabriel - Casamento judaico

maio 28, 2012


A tradição nos conta que D'us, Ele próprio, enfeitou Eva, a primeira mulher, para o seu casamento com Adão. Por esta razão, a noiva se prepara e se enfeita para o seu casamento.

Costuma-se usar vestido de cor clara, que indica pureza, já que todos os pecados dos noivos são perdoados no dia de seu casamento


A entrega da aliança pelo noivo e sua aceitação pela noiva constitui o ato central da santificação do casamento. É um vínculo eterno que fica estabelecido.

A partir do momento em que a aliança é colocada no dedo da noiva, o casal, de acordo com a Lei Judaica, é considerado casado.

A aliança simboliza um círculo sem fim representando o ciclo da vida.

O costume é que a aliança seja redonda, de ouro sólido, simples e perfeitamente lisa.

O ato de dar o anel também simboliza a transferência de poder e autoridade.

Assim o marido simbolicamente transfere à sua esposa a autoridade sobre seu lar e tudo que se encontra nele. A partir deste momento tudo em sua vida será repartido.

O anel também simboliza a proteção que o marido dá a sua esposa; assim como o anel envolve o dedo, também sua aura de proteção envolve a esposa.

A aliança simboliza a confiança e lealdade que envolve o casal pelo resto de sua vida


Em casamentos judaicos mais tradicionais os pais acompanham o noivo e a noiva até a chupá e seguram velas acesas.

Já que os noivos são comparados a rei e rainha, devem ser escoltados por um séquito.

Assim como D'us foi acompanhado pelas duas Tábuas da Lei e por miríades de anjos, os noivos são acompanhados pelos pais.

No casamento da Vânia & Gabriel bem como no da Mariana & Edu não seguimos este costume, mas eu acho lindo!

O noivo vem primeiro.

Um casamento só pode ser realizado com o consentimento da mulher,

por isto, ela vai à chupá para o noivo, mostrando que realmente deseja este casamento.

A cerimônia do casamento deve ser realizada preferivelmente sob céu aberto, lembrando a bênção de D'us para que a semente de Abraão fosse tão numerosa como as estrelas.

Reflete também a esperança de que esta união seja abençoada com muito brilho, como as estrelas que iluminam o céu.

Ela ocorre sob a chupá, cobertura ou proteção, que representa a casa que o novo casal irá se estabelecer.

Ao chegar à chupá, a noiva, circunda o noivo sete vezes.

Este é um costume de origem cabalística, difundido apenas entre as comunidades judaicas ashkenazitas (ocidentais).

As voltas são alusivas aos sete dias da Criação.
O circundar da noiva em torno do noivo representa também o seu investimento no casamento através do compromisso absoluto à construção de um lar de acordo com a vontade de D'us.

E que seu marido e o novo lar serão agora o centro do seu mundo.

Após terminar as sete voltas, a noiva fica ao lado direito do noivo, em sinal que estará sempre a seu lado para qualquer ajuda.

Por outro lado, a aliança que o noivo oferece à noiva representa o seu investimento de uma devoção ilimitada.


Já que o casamento é um preceito Divino, uma bênção é recitada antes de sua execução em agradecimento pela santificação de D'us à união.

O uso das velas significa que, quando acesas, parecem com uma tocha de luz, lembrando os relâmpagos faiscando no Monte Sinai que acompanharam o povo de Israel, e o fulgor que acompanhou D'us, na outorga da Torá (Torá compreende os 5 livros do antigo testamento, Gênesis, Êxodo,Levítico, Números e Deuteronômio)
 

O motivo pelo qual o noivo cobre o rosto da noiva é que a Presença Divina irradia do rosto da noiva neste momento, e por isto deve ser coberta.

Mais um motivo é para indicar que o noivo não está interessado apenas na sua beleza física, pois beleza é algo passageiro, pode desvanecer com o tempo. Ele está atraído pelas suas qualidades espirituais, algo que a noiva nunca irá perder.
 

No Monte Sinai, no "Grande Casamento" entre D'us e o povo de Israel, os judeus tiveram a visão de D'us envolto em um talit, xale de orações. Por este motivo, é um antigo costume judaico que a noiva dê ao noivo um talit novo como presente antes do casamento (e o noivo presenteia a noiva com um par de castiçais).
 

O ato final da cerimônia é a quebra de um copo de vidro pelo noivo, lembrando a todos que mesmo na maior alegria pessoal devemos lembrar a destruição do Templo Sagrado de Jerusalém e continuar a almejar pela sua reconstrução.E que somos como vidro, que mesmo quebrado, pode ser reconstituído, como através de nosso sincero arrependimento somos perdoados.
 

O casamento será fortalecido a cada dia através do entendimento entre ambos, dos limites do outro, companheirismo, amizade, carinho, amor, respeito e cumprimento das leis de pureza familiar.

Estes são os verdadeiros valores que consagram um casamento judaico.

Ao som do copo quebrado, a atmosfera solene é rompida e substituída por danças e músicas. Todos expressando a alegria e apoio ao casal que constitui a partir deste momento, mais um elo na corrente de vida.
 

"Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu".Cânticos 6:3

"Eu sou do meu amado, e ele me tem afeição".
Cânticos 7:10


A assinatura da Ketubá, contrato judaico de casamento, demonstra que os noivos não vêem o casamento apenas como uma união física e emocional, mas também como um compromisso legal e moral.

O contrato matrimonial especifica as responsabilidades do marido para com sua esposa, como provê-la com alimento, roupa e direitos conjugais.
 

É um mandamento positivo, honrar e louvar a noiva, providenciar o que ela necessita e alegrá-la. O Talmud designa-lhe um "trono de noiva" e instrui todos os que comparecerem a agir como o seu séquito. A noiva neste dia é chamada de rainha e o noivo, de rei.

Fonte :www.chabad.org.br
 
 


Este ano o meu aniversário foi regado a muita emoção.

Sentimento de dever cumprido.

Meu presente foi ver meu filho feliz e realizado ao lado da mulher amada.

Meu presente foi testemunhar suas escolhas acertadas e a certeza de que ele está no caminho certo.

Meu presente foi testemunhar, no dia do meu aniversário, a celebração e comemoração do seu lindo casamento da forma como a Vânia e ele escolheram.

Meu presente foi poder dançar de mãos dadas e com genuína alegria com a mãe da Vânia, a querida e dedicada Sandra! Como nos emocionamos!

Meu presente foi ver a emoção através das lágrimas do Bruno e Mariana ao cuprimentar o irmão.

Meu presente foi ver as família reunidas, felizes por esta união. Numa consagração ao amor.

Foi uma cerimônia tocante e repleta de significados.

Obrigada Gabriel e Vânia pelo presente maravilhoso que foi o casamento de vocês.

Obrigada Sandra e Godoy pela filha doce, querida e responsável que é a Vânia.

Foi tudo maravilhoso!


Ficha Técnica:

Noiva: vestido Vera Wang / Véu Dior / Grinalda Casa Vasconcelos/ Alianças Tiffany/ Noivo: terno Burberry/ gravata Ricardo Almeida / Sapato Salvatore Ferragamo/ Making Of Hotel Hyatt / Cabelo e Mahe Up: Robertinho/ Recepção e Cerimônia Espaço Contemporâneo / Assessoria: Fabiana Hanna / Decoração: Marina Schoeder Phillip / Flores: André Pedrotti / Som DB2/ Banda: Grupo Zamarin / Carro da Noiva: Richcars/ Fotos Debora Pitanguy


LEIA TAMBÉM

7 comentários

ASSINE A NEWSLETTER

Cadastre seu Email receba as Novidades do Mother of the Bride

Mais Recentes

CURTA NO FACEBOOK